PRÓTESES TOTAIS E OVERDENTURES

Ministradores:
– Prof. Dr. Wilkens A. Buarque e Silva
Professor Titular do Departamento de Prótese e Periodontia FOP-UNICAMP
MDS, DDS, PhD
Coordenador do Curso de Especialização em Prótese Dental FOP-UNICAMP
Especialista em Prótese Dental, Especialista em Dor Orofacial e DTM
Professor do Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica FOP-UNICAMP
Membro do CETASE – FOP/UNICAMP;
– Prof. Dr. Geraldo Klebis de Barros
Professor do Centro Universitário UniRuy
Professor do Curso de Especialização em Prótese Dental FOP-UNICAMP
Doutor e Mestre em Clínica Odontológica FOP-UNICAMP
Especialista em Prótese Dental FOP-UNICAMP
Membro do CETASE – FOP/UNICAMP.

Objetivos do Curso:
– Habilitar o profissional para confeccionar próteses totais e overdentures;
– Demonstrar técnicas precisas para a reabilitação do paciente desdentado.

Natureza:
– ON-LINE COM AULAS GRAVADAS E AO VIVO.

Duração:
12 horas/aula gravadas + aulas ao vivo

Programa:
– Planejamento para reabilitação em pacientes edêntulos
– como planejar
– retenção e estabilidade
– implantes (limitações)
– anamnese
– exames extraorais
– exame intraoral (mucosas, língua, saliva, espaço protético, reabsorção de rebordo)
– exames de imagem

– Buscando o reequilíbrio
– propriocepção e sistema neuromuscular
– harmonia e função
– posição terapêutica
– relação cêntrica
– oclusão cêntrica
– o uso do aparelho oclusal plano
– etapas do tratamento
– sinais e sintomas de alterações funcionais
– fundamentação científica da ação do aparelho oclusal plano
– recuperação da posição mandibular, postura da cabeça e do corpo
– determinação da dimensão vertical de oclusão: como e porque
– o mecanismo neuromuscular responsável pela dv
– o que o aparelho oclusal plano resolve
– vantagens e desvantagens
– diferentes tipos de aparelhos e consequências do uso
– como funciona o aparelho oclusal plano
– como confeccionar
– como ajustar

– Moldagens e modelos
– objetivos da moldagem
– área chapeável
– fatores que influem na retenção
– moldagem anatômica (moldeiras, materiais, o que moldar)
– zona de suporte principal
– zona de suporte secundário
– zona de selado periférico
– zona de selado posterior
– zonas de alívio
– moldagem funcional
– moldeiras individuais (como confeccionar e por quê?)
– materiais para vedamento periférico e moldagem funcional
– regiões importantes de vedamento superior e inferior
– como obter o melhor resultado em cada região
– confecção dos modelos finais
– tipos de gesso
– como obter um modelo adequado

– O plano oclusal, estética e função
– estética x beleza
– plano de orientação
– como deve ser a base de prova
– técnica para confeccionar o plano de orientação
– o plano oclusal
– o plano de Camper
– como usar as referâncias anatômicas
– onde colocar a cera?
– o suporte labial
– a altura incisal
– a curva do sorriso
– o corredor bucal
– a linha média
– a distância entre caninos
– a linha de sorriso alto
– a linha de sorriso baixo
– a relação maxilomandibular
– arco facial e montagem do modelo superior no articulador
– relacionando os planos de orientação superior e inferior para montagem no articulador
– aprimorando a posição horizontal da mandíbula: o registro intraoral de Gysi
– como confeccionar o registro de Gysi
– como funciona o registro intraoral
– compreendendo o traçado do arco gótico de Gysi
– como identificar a posição de relação cêntrica
– como transferir para o articulador a posição de RC
– remontando o modelo inferior, agora em RC

– Reconstruindo a função e o sorriso: os dentes artificiais
– variáveis que influenciam a seleção
– materiais diferentes produzem dentes com diferentes propriedades físicas e óticas
– como os conceitos de analogia e proporção podem auxiliar a seleção dos dentes artificiais?
– as referências que devemos buscar nos planos de orientação
– utilizando as cartas molde para selecionar a forma e proporção mais adequadas
– as escalas de cor para dentes artificiais
– as vantagens em conhecer as técnicas de montagem de dentes artificias: as modificações e personalizações que você pode realizar no seu consultório para otimizar a estética e o equilíbrio oclusal
– personalização da linha de sorriso, do posicionamento dos lábios e da articulação dos dentes artificiais
– a naturalidade do contorno gengival e da base da prótese
– a avaliação estética e a avaliação funcional
– os testes fonéticos
– a prova da estabilidade da prótese
– os pequenos ajustes que ainda podem ser realizados
– agregando valor ao seu trabalho: caracterização e estratificação das bases da prótese
– técnica de Tomaz Gomes

– Instalando e ajustando a nova prótese
– transmitindo segurança aos seus pacientes
– a certificação e revisão das fases clínicas e laboratoriais realizadas
– a fase de adaptação inicial
– os cuidados prévios e a inserção da nova prótese
– a avaliação estética final
– o refinamento oclusal
– ajuste das áreas de compressão
– os testes fonéticos
– as orientações finais: os primeiros dias com a nova prótese
– a higienização da mucosa alveolar e da prótese
– o protocolo de proservação

– As overdentures
– o que são overdentures? Como surgiram?
– o impacto na relação custo-benefício e na saúde geral
– a indicação e execução no serviço público
– benefícios e indicações
– utilização de raízes naturais e de implantes
– o planejamento
– as considerações periodontais e endodônticas
– os sistemas rígidos, os sistemas semi-rígidos e os sistemas resilientes
– o desempenho biomecânico dos sistemas mais utilizados no mercado
– discussão de casos clínicos
– solucionando situações clínicas críticas
– os sistemas de alavancas formados em função da escolha do tipo de sistema de retenção
– o sistema o’ring: biomecânica, aplicabilidade e relação custo-benefício
– o plano de tratamento com overdentures
– a posição ideal dos pilares naturais e dos implantes
– o desempenho biomecânico dos sistemas barra-clip
– o passo a passo clínico